PREPARADO PRA VENCER? PREPARADO PRA PERDER?

Como você se sente:

Preparado pra perder?

Preparado pra vencer?

O ultimo post publicado trouxe o titulo GANHAR OU PERDER. Nele não fiz nenhuma analogia ao fato de vencer ou perder, apenas fiz uma análise parcial das vitórias e derrotas até então nas Olimpíadas Rio 2016. Neste momento, com base nas experiências enquanto Educador Físico, e o que das Olimpíadas, quero abordar um pouco sobre esta faceta presente em toda disputa.

Ao trabalhar, os mais variados tipos de disputas nas escolas durante as aulas de educação física, nem sempre é tirado um tempos para trabalhar na mente dos alunos a importância de buscar a vitória, mas que também a derrota tem sua importância.

Alguns aspectos a serem trabalhados  na vitória, são a humildade e o respeito com os derrotados, aspecto este que se viu presente durante as olimpíadas em alguns momentos por parte dos torcedores chegando até a gerar polêmica, quando atletas derrotados foram vaiados. Toda derrota entristece, e quando vem acompanhada de vaias ou manifestações similares, machucam. Comemora-se a vitória. Zombar de quem perdeu não é legal.

A derrota, apesar de ser dolorida, é oportuna, pois te faz ver onde estão os erros e te impulsiona, ou deveria impulsionar na busca por melhorias, por solucionar os problemas de desempenho detectados.

Apesar da Cultura principalmente futebolística, de que quando perde está tudo errado, é necessário, se ressaltar que em todas as vezes que se entra em uma disputa, exceto em alguns esportes, em determinados momentos, somente existem dois caminhos, a vitória e a Derrota e um deles será o seu. E neste sentido, a atleta Flavia Saraiva da Ginástica Artística, em uma frase apenas, deu uma aula completa. Ao ser perguntada se estava triste por não ter vencido ou estar pelo menos no pódium, a mesma responde: “Eu estou feliz! Não perdi… cheguei em quinto lugar em minha primeira olimpíada…”. Tudo depende do ângulo que se visualiza a situação.

Estar preparado para absorver os louros da vitória de forma digna, com muita comemoração, mas também com humildade, sem deslumbramentos, é dignificante. Mas é preciso estar preparado também para absorver o amargo das derrotas, com ombridade para colher os frutos que tal resultado lhe proporciona, e se for o caso, até mesmo reconhecer a qualidade e/ou superioridade do adversário.

E isso não se aplica apenas no mundo esportivo. A nossa vivência diária é uma constante disputa com vitórias e derrotas a todo momento, no trabalho, nos mais diversos tipos de convivência, na política, na economia…

E você? Se considera preparado para vencer e para perder?

Comente abaixo, compartilhe, curta!!!!

GANHAR OU PERDER

Você está acompanhando as Olimpíadas Rio 2016?

Satisfeito com o desempenho dos brasileiros nestas olimpíadas?

Qual o saldo até o momento?

Clique no link e leia até o final se te interessa saber minha opinião enquanto esportista  e educador físico.

Até o momento, podemos tirar algumas conclusões, tais como: O Brasil tem potencial considerável em esportes coletivos. Não chegamos às medalhas ainda, mas percebe-se boas chances, bom desempenho em vários esportes como futebol, masculino e feminino, voleibol, masculino e feminino, handebol feminino, vôlei de duplas masculino e feminino, entre outros.

Por outro lado, os esportes que mais distribuem medalhas são os disputados de forma individual, esportes estes que requerem habilidades motoras específicas muito bem apuradas, treinamento exaustivo e constante, investimentos em tecnologias e controle emocional extremo.

Podemos subdividir esses esportes em categorias como Atletismo, Natação, Lutas Marciais, Ginastica, Tiro, …

Dentro das lutas marciais, o que tem sempre se destacado foi o Judô e nesta Olimpíada, em nossa casa tivemos menos medalhas que na Olimpíada passada, fechando com apenas três medalhas, uma de ouro e duas de bronze, aquém das expectativas.

A Natação que sempre trouxe medalhas para o Brasil, nesta edição saímos das piscinas sem nenhuma medalha, o que foi altamente frustrante.

O Atletismo, que conta com uma quantidade altíssima de medalhas distribuídas, são poucas as esperanças do Brasil conseguir levar medalhas.

O que tem salvado a pátria, como diriam muitos, tem sido a Ginástica que vem com um trabalho sólido há alguns anos, e agora, percebe-se uma consistência cada vez maior.

Ao final das Olimpíadas farei novo texto com comentários mais conclusivos. Comente!!!