CARNAVAL NO BRASIL

 

Há três dias vinha pensando em escrever a respeito do que penso sobre o Carnaval, ou melhor, sobre a imagem que principalmente a mídia passa a respeito do que é, e de como é o Carnaval no Brasil.

Aí eu encontro esse texto, um Artigo publicado no Jornal A Tarde, coluna Opinião, em 23-02-2017

A palavra Carnaval, segundo alguns linguistas, é composta da primeira sílaba de velho provérbio latino: Carne nada vale (carnis levale), também interpretado como “festa do adeus à carne”.

Equivale dizer que se deve aproveitar a vivência carnal para desfrutar-se até a exaustão os prazeres sensuais proporcionados pelos festejos.

A sua origem perde-se na poeira dos tempos, inicialmente entre os egípcios, em festa de homenagem a Ísis, mais tarde entre os judeus, os gregos, os romanos (as saturnais) até quando a Igreja o aceitou… Posteriormente, passou a ter aspectos mais amplos e Paris encarregou-se de divulgá-lo ao mundo. Na atualidade, o Brasil é o grande campeão do Carnaval, e, segundo o Guinness Book, o do Rio de Janeiro é o maior do planeta, com dois milhões e duzentos mil foliões, seguido pelo de Salvador, Recife, Olinda…

É a grande bacanal em que tudo é válido, desde que proporcione prazer.

À medida que os valores éticos foram perdendo a força do equilíbrio e da razão, tornou-se a grandiosa exposição de erotismo e de vulgaridade, a prejuízo da sensatez e da dignidade.
Realmente, não é o Carnaval o responsável pelos descalabros a que grande parte da sociedade se permite, mas, sim, a oportunidade para desvelar-se, cada qual, da persona que lhe oculta o ser profundo.
Objetivando ser uma catarse a muitos conflitos, momento de liberar-se da melancolia, de distrair-se, de sorrir e bailar, quase numa peculiar maneira de terapia do júbilo, os instintos primários assumiram o comando do indivíduo, fazendo-o liberar-se das paixões inferiores, por intermédio do exibicionismo e do total abuso sexual. Ao mesmo tempo, a fim de contrabalançar os limites orgânicos, as libações alcoólicas, as drogas de estímulo com graves consequências, os relacionamentos apaixonados e perigosos, a violência que se faz liberada pelos transtornos da personalidade.

Considerando-se a falsa finalidade do Carnaval, a festa em si mesma proporciona alegria, liberação de pequenos traumas, diverte, desde que vivenciada com equilíbrio e moderação. Transformada, porém, em elemento de sensualidade e de exorbitância do prazer, produz mais danos que satisfações, porquanto, logo passa, mas os hábitos e licenças morais permanecem, transformando a existência em um carnaval sem sentido, mais animalizando os seus adeptos.

Nessa efusão de promiscuidade a que muitos se permitem, o contágio de enfermidade infectocontagiosas, de transtornos emocionais e sonhos que se tornam pesadelos são os frutos amargos da grande ilusão.

Se desejas alegrar-te e participar dos desfiles alegóricos, ricos de beleza e de nudez erótica, procura manter o equilíbrio, lembrando-te, porém, de que és imortal.”

E aí nós vemos a mídia mostrando um vale tudo, incentivando um pode tudo, mostrando e valorizando a exposição corporal com o máximo de nudez feminina possível, e é esse é imagem que se tem da mulher brasileira lá fora, porquê será?

No entanto, o que a mídia pouco mostra é que cresce cada vez mais os retiros de Carnaval dentro das igrejas ou organizados por elas. Claro isso provavelmente não dê tanta audiência.

ZANELLA “CARROCERIAS”

Texto a seguir copiado do próprio site da empresa, http://www.zanella.Ind.br em mais uma publicação de Marcas ZANELLA  pelo mundo…

Localizada na cidade de Chapecó-SC, a Carrocerias Zanella Ltda é uma das mais tradicionais empresas de fabricação e reformas de carrocerias de Santa Catarina. Iniciou suas atividades no final da década de 60 e em seu atual mix de produtos, destacam-se a produção e reforma de carrocerias graneleiras, porcadeiras, granjeiras, carrocerias especiais para o transporte de produtos recicláveis, frutas e verduras, bem como carrocerias boiadeiras e de carga seca. 

Em sua produção, a Zanella utiliza somente madeira de lei pré-selecionada, com todas as etapas do processo de fabricação obedecendo a um rígido controle de qualidade. Para que isso seja possível, a empresa conta com um quadro de colaboradores altamente qualificado, além de um parque industrial dotado de todos os recursos e ferramentas capazes de assegurar com que os produtos que carregam a marca Zanella, sejam vistos como referência de mercado

screenshot_2017-02-26-14-26-10-1screenshot_2017-02-26-14-28-40-1

ZANELLA “MOTOS”

Na busca por marcas ZANELLA pelo mundo, desta vez saímos do Rio Grande do Sul e até mesmo do Brasil.

Para ser mais exato, vamos a Buenos Aires, na Argentina, para conhecer uma empresa com a Marca ZANELLA que iniciou suas atividades ainda em 1948.

No início, trabalhando com metalurgia, depois com fabricação de peças e montagem de carros e enfim, a fabriccao das primeiras motos.

Hoje, as motos ZANELLA são líderes de venda na Argentina. Em seu site, zanella.com.ar vc poderá encontrar muito mais informações a respeito.

Seguem algumas fotos dos produtos fabricados pela ZANELLA MOTOS:

screenshot_2017-02-21-16-53-32-1

ZANELLA “METAIS”

Seguindo na busca por marcas ZANELLA pelo mundo, continuamos no Rio Grande do Sul, mais especificamente em Caxias do Sul, onde encontramos e Metal Zanella, que na Internet pode ser encontrada no site http://www.metalzanella.com.br.

Com uma variedade enorme de produtos em inox, e ao que se percebe, de ótima qualidade, fundada em 1982 pelos irmaos Zanella, (não encontrei o nome dos irmãos Zanella proprietarios).

É mais uma empresa com produtos com a Marca ZANELLA.

screenshot_2017-02-19-10-50-30-1

screenshot_2017-02-19-10-34-42screenshot_2017-02-19-10-52-13-1

ZANELLA “VINHOS”

Com o auxílio de internet, que possibilita encontrar pessoas e tudo mais, vamos procurar pelo mundo, o que temos com a Marca Zanella.

Vamos começar conhecendo uma Vinícula no Rio Grande do Sul, na cidade de António Prado, com altíssima qualidade e bastante premiado. Fundada e administrada por Vladimir José Zanella e Dirceu Zanella, descendentes de imigrantes Italianos.

Aos interessados em conhecer mais, basta acessar http://www.vinicolazanella.com.br, por enquanto vejamos alguns prints das premiações desses Vinhos ZANELLA.

PARA REFLETIR: “A LISTA”

Música de Osvaldo Montenegro

 

Faça uma Lista de Grandes Amigos.

Quem você mais via há dez anos atrás.

Quantos você ainda vê todo dia

Quantos você já não encontra mais.

Faça uma lista dos sonhos que tinha.

Quantos você desistiu de sonhar.

Quantos você conseguiu preservar.

Onde você ainda se reconhece.

Na foto passada ou espelho de agora.

Hoje é do jeito que achou que seria?

Quantos amigos você jogou fora.

Quantos mistérios que você sondava.

Quantos você conseguiu entender.

Quantos segredos que você guardava.

Hoje são bobos ninguém quer saber

Quantas mentiras você condenava.

Quantas você teve que cometer.

Quantos defeitos sanados com o tempo.

Eram o melhor que havia em você.

Quantas canções que você não cantava.

Hoje assobia pra sobreviver.

Quantas pessoas que você amava.

Hoje acredita que amam você.

– – – – – – – – – – – – – –

Faça uma Lista de Grandes Amigos.

Quem você mais via há dez anos atrás.

Quantos você ainda vê todo dia

Quantos você já não encontra mais.

Quantos segredos que você guardava.

Quantas pessoas que você amava.

Hoje acredita que amam você.

Hoje são bobos ninguém quer saber

PERIGO NA TRANSAMAZONICA

Há algum tempo, que venho observando o comportamento de boa parte dos motoristas que trafegam o trecho de 400 km da BR 230 denominada Rodovia Transamazônica, entre Itaituba e Jacareacanga, que mesmo sendo Rodovia Federal, conta com apenas 7 Km dentro do perímetro urbano de Itaituba possui asfalto.

Devido as condições da estrada que no período chuvoso se agrava consideravelmente, quem pode compra  carros grandes e traçados, em sua maioria caminhonetes.

Muitos utilizam essas caminhonetes para transporte de Pessoas e mercadorias. Mas a impressão que dá, é que muitos desses condutores não tem a minima noção da responsabilidade que tem nas mãos para conduzir essas vidas com segurança.

Aí eu me lembro de uma frase que meu tio  Claudio Cazarotto me disse quando eu era adolescente ainda, andando a 70 km por hora: “É melhor perder alguns minutos da vida do que a vida em alguns segundos.”

Esse trajeto da Transamazônica é um trajeto cheio de nuances, curvas, ladeiras, buracos… e quando vemos condutores transitando em velocidades acima dos 100 km/h, vemos aumentar as chances de acidentes na rodovia.

Acidentes que tem aumentado  nos últimos tempos, aumentando bastante os prejuízos materiais de muitos mas principalmente fazendo muitas vitimas fatais.

Tudo o que temos a pedir, é que os condutores que trafegam nessas estradas, principalmente das agencias de transporte é: CONSCIÊNCIA!!!!