Os Impressionantes descaminhos do Poder

Em algum momento já te sentiu prejudicado por decisões ou ações de poder público ou econômico, ou de ambos ao mesmo tempo?

Qual o conceito que se tem de PODER? E quais os tipos de PODER

Qual o conceito que se tem de PODER? E quais os tipos de PODER

Podemos realçar alguns conceitos, como forma de dominar algo ou alguém pelos viezes político, econômico, da informação, do conhecimento, entre outros.

Nesse post, quero relatar algo que se passa hoje, com desdobramentos anteriores que acredito ser interessante que as pessoas saibam, até porque poderá influenciar a todos usuários futuros desse serviço que abordaremos.

Trata-se da implantação da Torre de Telefonia Celular da CLARO.

Há algum tempo, escrevi um post falando da ineficiência total da Internet da VIVO em nossa cidade apesar de termos um bom serviço de telefonia móvel, que causam suspeitas, que não podem ser afirmadas, pois não se tem provas, porém muitos comentam.

Agora poderemos ter os mesmos problemas com a CLARO em função de interesses de Pessoas ou grupos de pessoas que dominam o poder político e econômico no município.

Há um ano, o representante da CLARO esteve em minha residência, dizendo que o melhor sinal da CLARO, estava em meu terreno e propôs contrato para construção da Antena.

Logo em seguida passamos por um período de silêncio por parte da operadora e fomos investigar para saber o motivo, descobrimos que havia um embargo da obra por parte do Poder público Municipal.

Após sabermos os motivos e algumas denuncias para a ANATEL, a operadora foi multada e na Justiça conseguiu o direito de instalação. O equipamento já chegou para ser instalado porém não está sendo realizado onde havia sido definido.

Alguém poderá dizer que estou publicando isso porque tenho interesses particulares em locar o terreno, e sem hipocrisias, isso não é mentira. Porém não é apenas isso.

Quando da vinda do técnico pela primeira vez, com o aparelho que mede o sinal, no local exato, o sinal era pleno, aos se afastar um pouco, percebia-se uma sensível diminuição do sinal. Segundo algumas pessoas, até cerca de 200 metros do ponto o sinal pode ser captado normalmente.

Aí eu pergunto aos leitores, será que teremos um excelente serviço pela operadora se Antena não está posta onde o sinal é melhor? Porque os funcionários da empresa não retornaram mais ao terreno onde o sinal é pleno, para que o serviço possa ser de melhor qualidade?

É aí que entra a interferência do Poder. Político, econômico, etc… o terreno em que foi locado é de um empresário ligado ao poder político municipal.

Sei que haverá questionamentos e possivelmente represálias por publicar isso, porém, como eu já disse, as pessoas precisam saber… e se todas as vezes nos calarmos com receio das consequências, quem domina algum ou alguns dos tipos de poder, sempre fará a “seu bel interesse”, contornando as situações para se auto beneficiar, mesmo que isso implique em um serviço de menos qualidade à população.

Gostaria muito que esse texto chegasse até os responsáveis da operadora e estes pudessem justificar a mudança de rumo, ou de local.

Para ilustrar: Quando Gandhi estudava Direito na Universidade de Londres tinha um professor chamado Peters, que não gostava dele, mas Gandhi não baixava a cabeça.

Um dia o prof. estava comendo no refeitório e sentaram-se juntos.

O prof. disse:
– Sr. Gandhi, você sabe que um porco e um pássaro não comem juntos?

Ele: Ok, Prof….. Já estou voando…… e foi para outra mesa.

O prof. aborrecido resolve vingar-se no exame seguinte, mas ele responde, brilhantemente, todas as perguntas.

Então resolve fazer a seguinte pergunta:

– Sr. Gandhi,
indo o Sr. por uma rua e encontrando uma bolsa, abre-a e encontra a Sabedoria e um pacote com muito dinheiro.

Com qual deles ficava?

Gandhi respondeu….
– Claro que com o dinheiro, Prof.!

– Ah! Pois eu no seu lugar Gandhi, ficaria com a sabedoria.

– Tem razão prof, cada um ficaria com o que não tem!

O prof. furioso escreveu na prova “IDIOTA” e lhe entregou.

Gandhi recebeu a prova, leu e voltou:
E disse…

– Prof. o Sr. assinou a prova, mas não deu a nota!

😂😂😂

Moral da historia.
Semeie a Paz, Amor, compreensão. Mas trate com firmeza quem te trata com desprezo. Ser gentil não é ser capacho, nem saco de pancadas!

Se você que leu acha que estou errado, diga-me onde em um comentário logo aqui embaixo. Caso pense que é necessário quebrar o silêncio e informar aos demais, como o fiz agora, comente também, aqui no Blog.

Se você acha que precisa que essa informação percorra mais e mais locais na Web, compartilhe a partir do blog, nos ícones abaixo, do Facebook, twitter, Google +, entre outros.

O PAPEL DO CORPO TÉCNICO PEDAGÓGICO E DO GESTOR NA MANUTENÇÃO DA MOTIVAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR

Texto de ZANELLA, Marciano José [1]

Orientado por: BECKER, Jussara Mª P. [2]

    O Corpo Técnico Pedagógico e Gestores Escolares tem papel fundamental dentro do ambiente escolar.

De acordo com Daniele Farfus (2008 – p 117) “O gestor Escolar deve ser de tal forma que atenda as demandas sociais, articule a escola com outras organizações, promova um ensino de qualidade…, sistematize propostas integradas e alinhadas a concepções contemporâneas que formem um indivíduo…”.

Em “Pedagogo Escolar: as funções supervisora e orientadora” de Almeida e Soares (2010 – p 40) “Caberá a este profissional, trabalhar na direção de coordenar as ações necessárias para garantia do processo de ensino aprendizagem e não mais direcionar suas ações para o controle do trabalho dos professores. Assim, com relação ao processo ensino-aprendizagem, o pedagogo deve ser entendido como cumplice do professor, ou seja, suas ações podem contribuir, ou não para a realização da função da escola: a socialização do conhecimento científico”.

Na prática, quando o professor perceber a intenção nas palavras e atitudes de Gestores e Corpo Técnico Pedagógico pela busca da qualidade educacional percebê-los como cumplices nesta intenção e não apenas alguem que esteja cobrando ações, isso é um passo para a motivação.

Deve-se partir da elaboração de um diagnóstico para entender as necessidades e planejar de forma coletiva, a forma como cada um deve agir e conduzir seu trabalho no sentido de manter os seus quadros docentes e discentes, motivados e ávidos na produção e aquisição de conhecimento de forma significativa.

A partir do diagnóstico, verificamos algumas situações que podem ser adotadas no sentido de motivação coletiva, tais como:

  • Estimular a automotivação a partir do propósito de educar;
  • Incentivar o exercício do sorriso e a boa acolhida de professores e alunos.
  • Apresentar-se com o máximo de clareza, como parceiros de trabalho na busca do ensino-aprendizagem e não apenas como instrumento de controle do trabalho do professor.
  • Solucionar conflitos internos de forma discreta e rápida no intuito de minimizar ao máximo os impactos que os mesmos causam nos relacionamentos intra-escolares, principalmente entre professores e/ou entre professores e técnicos.
  • Manter a estrutura física limpa, com manutenção periódica e os equipamentos atualizados e em funcionamento. Bem como dispor a maior quantidade possível de material didático, atualizado, organizado e em condições de uso constante e irrestrito desde que com responsabilidade.
  • realizar encontros pedagógicos, encontros de formação, encontros motivacionais, nos quais estejam presentes, a importância inerente à profissão, ou à função que o Professor tem no sistema educacional em si, na formação da pessoa humana como tal, e assim sendo, na formação de uma sociedade que almeje o melhor e busque de alguma forma essa melhoria.
  • Incentivar e apoiar as iniciativas na criação, estruturação e realização de projetos pedagógicos diferenciados a serem implantados dentro ou fora da sala de aula, na busca de melhorar os resultados do processo de ensino aprendizagem. Pois, muitas vezes, ocorrem iniciativas por parte dos docentes e que se as mesmas não tiverem apoio e incentivo por parte do Corpo Técnico Escolar e Gestor, as chances são grandes desses projetos não acontecerem, não decolarem e algo que poderia ser uma solução, não passar de uma simples tentativa embasada numa boa ideia, mas que nunca passou disso.
  • A utilização efetiva de mecanismos de Gestão democrática, favorecendo que, na medida do possível, as decisões sejam tomadas com a participação de todos os setores da escola. Quando todos participam das decisões, no que se refere às normas, regras, metas e objetivos, tendem a se sentir mais responsáveis em fazer que se concretize o que foi decidido coletivamente.

Tais gestos tem a capacidade de contagiar a todos, tornando o ambiente alegre e acolhedor, e quando se está em um ambiente alegre e acolhedor, tem-se como tendência sentir-se mais a vontade e mais motivados para estar aí. São atitudes simples, na maioria das vezes, no entanto, necessário que sejam lembradas e reavivadas nas mentes das pessoas, até com certa frequência para que a rotina diária não acabe por ofuscar a real importância do ensinar, do educar.

 

[1] Licenciado em Educação Física UPF – Universidade de Passo Fundo – RS; Cursando Pós Graduação em Organização Pedagógica da Escola: Gestão Escolar pela UNINTER.

[2] Pedagoga (UTP) Mestre em Educação- Currículo e Conhecimento (UFPR), Especialista em Sociologia Política ( UFPR),  MBA em Gestão Social e Sustentabilidade (UNICENP/SISTEMA FIEP/UNINDUS), Prof.ª  Pesquisadora/ Supervisora Estágio (IFPR)  Profª Orientadora de TCC do Grupo UNINTER.