DO NOMINALISMO

Criaram-se um sem número de definições para o termo Conservador, com a intenção de torná-lo relativo, superficial e até pejorativo. Hoje, este termo, depois de tanto ser demonizado, está sendo resgatado especialmente para definir viés político. Mas, embora a maioria dos políticos que se definem como conservador tenham boa intenção, ainda é muito pequeno, quase ínfimo o número de políticos e agentes ligados à política que reconhecem e assimilam o verdadeiro sentido do termo conservador como ele foi criado para ser. Conservador é quem se preocupa em conservar as leis eternas e transcendentes, os valores indissolúveis da existência humana, como o direito a vida, o direito natural, família, religião e etc.. 

 

O alargamento das liberdades provocado por muitas filosofias mal concebidas, bem como a expansão de conceitos que agradavam mais à natureza material do ser do que sua natureza mística transcendente, levaram gerações inteiras a se distanciar da verdade, para aprofundar-se em terrenos muito mais rasos, como é o caso do Nominalismo, por exemplo. O Nominalismo, que possui uma matriz advinda do Liberalismo (último artigo deste blog), é uma vertente filosófica inventada por um frade Franciscano chamado Guilherme de Ockham e que posteriormente, num período decadente, filosoficamente, da história, foi um pensamento dominador nas universidades mais famosas da Europa. Este período nada mais foi do que o período acadêmico de formação de Martinho Lutero. Martinho é um personagem importantíssimo para a história da humanidade porém, não por ter feito uma reforma religiosa ou qualquer outro intento mas, porque sua incursão revolucionária teria amplificado o desejo por revoluções ao longo dos séculos seguintes, desviando o andar natural das sociedades, de um senso de reforma natural, para um senso revolucionário que aniquilou com a vida de milhares de pessoas em genocídios e catástrofes humanitárias oriundas deste mesmo desejo. Lutero, que dezenas de vezes em seus Tischreden (escritos à partir de conversas à mesa) afirmou ser Ockhamista, formou boa parte de sua filosofia, a partir da natureza equivocada e da confusão que o Nominalismo criara naquele tempo.

 

Este período referido trata-se de meados do século XVI, um momento de crise intelectual, teológica e moral, em que a própria Igreja Católica lutava para encontrar-se em meio a uma sucessão de acontecimentos infortúnios ligados à Santa Sé, como o exílio de Avinhão, um cisma e a reconstrução de Roma pós exílio, entre outros. Anteriormente a este período, tivemos um dos mais brilhantes períodos da filosofia, com São Tomás de Aquino, na idade média. Porém, quando Lutero então frequenta a universidade, quase não haviam pensadores tomistas, ao contrário, quase todos os professores estão permeados pelo pensamento Ockhamista, nominalista, que numa linha geral assemelha-se ao que existe hoje, com o pensamento marxista dominando o meio educacional vastamente, impedindo que aconteça um debate entre correntes filosóficas variadas e distintas que poderia trazer luz à razão e maior ganho filosófico. Ou seja, imperava uma corrente filosófica estéril, como estéril sempre foi a reforma promovida por Lutero e que posteriormente ganhou uma cara mais arrumadinha, com os arranjos em sua teologia promovidos por sucessores do protestantismo no decorrer dos séculos.

 

A história, mais do que nunca, mostra como os erros vão se repetindo, e, assim como o povo da revelação errou pecando contra Deus muitas vezes, levado assim a punições severas como os intermináveis exílios, também o povo da Nova Aliança vem errando e pecando contra Deus, ao adotar um sem número de ideologias ao longo da história. Se o castigo de outrora eram os exílios, os destes tempos vem sendo o massacre imposto pelas ideologias genocidas.

 

Como diz Russel Kirk: “A continuidade da experiência de um povo oferece uma direção muito melhor para a política do que os planos abstratos dos filósofos de botequim”. Em outras palavras, não é possível haver continuidade com alardes de revolução ecoando em todos os setores, ainda mais naqueles que são intrínsecos à natureza humana como a mais recente de todas as revoluções, a atualíssima revolução de gênero. Deus nos livre e guarde. 

 

Em Cristo entregue a proteção da Virgem Maria. 

Publicado por Cleber Andre Zanella

Não sou nada sem os dons do Espirito Santo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

belezadelivroscomhome.wordpress.com/

Aqui você encontra resenhas de livros, dicas de leituras, e vai descobrir que os livros possuem magia e beleza!

sumidao.com

contos poéticos por Igor Florim

Blog QAP Osvaldo Matos

Publicitário, desde 1988, Sociólogo, especialista em segurança, defesa e pós graduado em Comércio Exterior. Diretor Presidente da Bm4, Editor Geral da Revista Qap em Alerta e Presidente do Instituto Pernambucano de Segurança-Frei Caneca

Maryworks

Garimpando a Internet

cleberzanella

The greatest WordPress.com site in all the land!

RASTILHO DE PÓLVORA

Jacareacanga - Pará - Brasil

Junior Ribeiro - Itaituba/PA

Jacareacanga - Pará - Brasil

WordPress.com em Português (Brasil)

As últimas notícias do WordPress.com e da comunidade WordPress

zanellablog.com

Jacareacanga - Pará - Brasil

%d blogueiros gostam disto: